Congresso Cidades Lixo Zero aponta o que precisa mudar na sociedade

Lixo no Mar, Slow Food, Compostagem e Ciclo Orgânico foram alguns dos temas debatidos nesta quarta

 

O Cidades Lixo Zero desta quarta-feira (6 de junho), iniciou com a fala do capitão norte-americano Charles Moore, que arrancou palmas da plateia mostrando desde o lixo no espaço até o plástico na biosfera, no interior das águas-vivas. “Estamos produzindo plástico de forma estúpida e irresponsável. Plástico não é saudável”, arrematou.

As apresentações desta manhã abordaram ainda o Programa Mesa Brasil, desenvolvido pelo Serviço Social do Comércio (SESC), cujo objetivo é garantir a segurança alimentar e o apoio para pessoas que se encontram em estado de vulnerabilidade social. Nele, uma rede de doadores, colaboradores e assistidos é conectada para atender da melhor maneira possível as necessidades deste grupo específico de cidadãos.

Em seguida, Tan Yigitcanlar, professor da Universidade Federal de Santa Catarina e da Queensland University of Technology, na Austrália, falou sobre as cidades inteligentes e os impactos catastróficos da era do consumismo, na qual a sociedade atual está incorporada. “Em todo o planeta, apenas 9% do que é produzido é reciclado”, observou. Os impactos, de acordo com suas pesquisas, são cada vez maiores e tendem a aumentar proporcionalmente ao crescimento populacional. “O Brasil encontra-se entre os 12 maiores poluidores mundiais”, afirmou ao ressaltar que apenas um em cada dez países consegue administrar adequadamente sua produção de resíduos sólidos.

Tan ainda abordou a importância da desmaterialização, processo fundamental para a redução de resíduos na Terra. O professor destacou que o século XXI é conhecido como o século das cidades e que os “nossos modelos de cidades são complicados por que são sistemas de sistemas”. Deste modo, frisou, “se focarmos apenas em um ou dois subsistemas, não conseguiremos ter uma cidade inteligente. É preciso se atingir o equilíbrio entre sustentabilidade, comunidade, política e tecnologia. Isto não ocorrerá sem que esta cidade tenha como meta o lixo zero”, encerrou.

O 1° Congresso Internacional Cidades Lixo Zero é promovido pelo Instituto Lixo Zero Brasil e pelo Instituto Desponta Brasil. É uma correalização do Governo de Brasília, das Secretarias de Esporte, Turismo e Lazer e do Meio Ambiente e conta com o apoio da Terracap e da Caixa Econômica Federal (CEF).

Programação de 7 de junho

7 de junho

MATUTINO

Sala 1 / Boas Práticas Lixo Zero

Sala 2 / Proteção do Clima na Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos (ProteGEEr)

Sala 3 / Eventos Lixo Zero

Sala 4 / Lixo no Mar e Cidades Costeiras

Sala 5 / Indústria: Gestão Consciente de Resíduos

Sala 6 / DF – Políticas Públicas e Melhores Práticas

Sala 7 / Sociedade Lixo Zero 9

VESPERTINO

Sala 1 / Boas Práticas Lixo Zero

Sala 2 / Impactos positivos da coleta diferenciada porta a porta nas cidades italianas

Sala 2 / Modelos no Mundo

Sala 3 / ZWIA Simpósio

Sala 4 / Lixo Zero e Política Nacional de Resíduos Sólidos

Sala 4 / Rede Internacional de Cooperação Acadêmica Lixo Zero

Sala 5 / Mídia social para Lixo Zero

Sala 6 / Painel Resíduos Orgânicos Urbanos

Sala 7 / O fechamento do lixão da Estrutural e a nova gestão dos resíduos no DF

Sala 7 / Lixo Zero e Protagonismo do Catador

Sala 8 / Encontro Embaixadores Lixo Zero

PLANETA.DOC LIXO ZERO

 

 

CONGRESSO INTERNACIONAL CIDADES LIXO ZERO

Data: 5 a 7 de junho de 2018

Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães – Brasília – DF

Público: prefeitos, legisladores, gestores públicos, organizações não-governamentais, acadêmicos, empresários, empreendedores, estudiosos do tema e sociedade civil.

Nas redes: FacebookLinkedInTwitterYoutube

Whatsapp: (61) 99320-9471

Inscrições: gratuitas pelo site http://www.cidadeslixozero.com.br