Como preparar o notebook para não perder a produtividade no home office

Regime foi adotado como medida de contenção do novo coronavírus

Com a chegada do coronavírus ao Brasil, diversas empresas adotaram o modelo home office para continuar com os trabalhos e seguir as recomendações dadas pelos órgãos de saúde como a OMS. Desde então, até empresas que não possuíam a alternativa em mente pensam em postergar o regime remoto para além da pandemia. Mas como cuidar dos equipamentos para manter o desempenho do escritório em casa?

No cenário da adaptação do trabalho aos meios virtuais, é importante que os computadores e programas usados estejam atualizados e em funcionamento pleno, para que o trabalho possa ser executado e a produtividade não caia. Além disso, se usados com muita frequência, os equipamentos tendem a ficar mais lentos e, por isso, é necessário realizar uma atualização e a limpeza interna dos arquivos não usados.

Caso o computador não ofereça mais possibilidades de um funcionamento eficaz, um novo pode ser adquirido para que a produtividade não seja perdida. Durante a quarentena há lojas e sites com descontos, ofertando notebooks em promoção, por exemplo. 

Adaptações de uso

Quando se trata de remodelação, também é essencial lembrar que havia dias com longas reuniões. No trabalho remoto, elas ainda são marcadas, mas de forma online. Sendo assim, testar a câmera, o microfone e os alto-falantes antes de uma videoconferência deve ser feito.

Para auxiliar nas tarefas, um mouse também pode ajudar, principalmente para as pessoas que já eram acostumadas ao uso. Se não for possível pegar um com a empresa, prefira modelos ergonômicos, leves e com bateria duradoura ou que sejam conectados ao computador. Isso porque, com o item, será possível mexer em planilhas, apresentações e produção de conteúdos, sem cansar os dedos.

Para evitar distrações, as notificações recebidas no computador ou notebook também podem ser desligadas. Além disso, há extensões para navegadores como Work Mode ou Block Site, que limitam o tempo de uso das redes sociais em alguns horários marcados, como o do trabalho. Assim, mesmo que a pessoa tente acessar Twitter, Facebook e Instagram no expediente, os plugins impedirão a entrada nos sites. 

O home office e a pandemia

Um estudo realizado pela consultoria Cushman&Wakefied mostrou que 73,8% das corporações pretendem instalar de forma definitiva o regime home office como alternativa aos colaboradores. Na mesma pesquisa, 59% dos trabalhadores entrevistados gostaram do modelo de trabalho.

Para os especialistas na área, é necessário que o modelo prossiga por mais alguns meses, mesmo com os governadores e prefeitos articulando planos para a retomada dos trabalhos presenciais. 

Foto:Divulgação

Instagram