Com 52% do território protegido por leis ambientais, São José abriga árvores históricas

Entre os exemplares protegidos estão pau-brasil e palmeiras imperiais, datadas de 1969

Referência em preservação da natureza, São José dos Campos foi homenageada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e pela Fundação Arbor Day com o título Tree Cities of the World, que é oferecido a cidades que têm compromisso com a preservação da arborização urbana. O município conta com 50% de seu território protegido por leis que visam garantir a vida da flora local, além de proteger alguns exemplares específicos que são históricos e reconhecidos como patrimônio cultural.

Nessa categoria são, ao todo, cerca de 300 árvores de 17 espécies que não podem ser cortadas, a não ser que ofereçam risco à população. Elas foram escolhidas pela prefeitura por serem muito antigas e ajudarem a contar a história não só da cidade, como do Brasil, sendo reconhecidas como patrimônio cultural e ambiental.

Uma das árvores mais marcantes que  é considerada histórica é da espécie que nomeou o país e quase foi extinta no passado por sua grande exploração: o pau-brasil. O exemplar fica na Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Melvin Jones, localizada na avenida José Longo, na região central.

Outra espécie presente em São José que também conta muito sobre o passado do país é a palmeira imperial. A cidade está cheia de exemplares que datam do século XIX e que provavelmente foram plantadas no ano de 1896, como os presentes na atual Avenida João Guilhermino, que na época foram plantados para marcar o caminho entre a antiga Estação Central da Ferrovia D.Pedro II e a cidade. 

Além dessas, o Jequitibá, da estrada velha Rio-São Paulo, os jacarandás Paulista e Mimoso, na Praça Benedita Nery, a paineira-rosa, localizada no Jardim das Flores, e muitas outras embelezam e melhoram a qualidade de vida de São José dos Campos. É possível conferir a lista completa de exemplares protegidos em http://www.fccr.sp.gov.br/index.php/comphac-sp-27657/405-bens-preservados-v2.html.

Iniciativas de preservação

Nos últimos anos, diversas novas leis foram sancionadas para manter as boas condições da natureza, como, por exemplo, a 9501/17, que imuniza de corte três Jaqueiras que estão na Estrada Velha RJ-SP, entre o distrito de Eugênio de Melo e o Residencial Galo Branco, por serem raras, históricas e importantes para o visual do local.

Há também a lei 9517/17, que aborda o plantio de espécies frutíferas em áreas públicas, como parques, praças e escolas municipais. Uma das justificativas mais significantes é que essas espécies atraem pássaros e outros animais que ajudam a manter o equilíbrio ambiental.

Os habitantes também têm seu direito à contribuição ambiental garantida pela lei 9423/16, que autoriza o incentivo ao cultivo de árvores. Os voluntários, além de poderem comprar suas mudas em floriculturas de SJC, também têm acesso a mudas ornamentais disponibilizadas pelo governo. O cultivo deve ser na calçada em frente à casa do cidadão, que também fica responsável pela manutenção da árvore.

Foto: Flávio Pereira/CMSJC

Instagram