Circuito de corrida e caminhada “Todo Mundo Vai”, no Rio, se destaca com time de pessoas com deficiência

Aconteceu neste domingo, no Aterro do Flamengo, no Rio, o circuito de corrida e caminhada Todo Mundo Vai, realizado pela Lojas Americanas e Americanas.com. Em sai sexta edição, o evento – viabilizado pela Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro, contou com 6 mil inscritos para as modalidades de 4 km (não competitiva, para pessoas com idade mínima de 14 anos) ou 8 km (competitiva, exige idade mínima de 16 anos). Todos os atletas que concluíram a corrida receberam medalhas. Já os três melhores lugares em categoria de idade ganharam troféus.

Além desta homenagem, os cinco melhores colocados gerais do masculino e do feminino foram premiados com créditos disponibilizados em suas contas no app da Ame – conta de pagamentos digital – e que poderão ser utilizados em compras na Lojas Americanas e Americanas.com. São eles: Damião Ancelmo de Souza, primeiro colocado com o tempo de 23’49’’; Ronald Jefferson de Arruda Lopes (23’53’’); Eliezer de Jesus Santos (24’00’’); Cosme Ancelmo de Souza (24’42’’); e Gilberto Silvestre Lopes (25’10’’). Já entre as mulheres, a ganhadora foi Rejane Ester Bispo da Silva, com tempo de 28’27’’, seguida por Lidiana Batista dos Santos (29’33’’); Glauciele de Oliveira de Souza (29’52’’); Rozana Albuquerque (30’31”); e Gisele Barros (30’45”).

Para surpresa de todos presentes, a família do corredor Damião de Souza esteve em peso no pódio do circuito Todo Mundo Vai. Seu irmão, Cosme, conquistou a terceira colocação entre os homens e sua esposa, Lidiane, ficou em segundo lugar na categoria feminina, seguida de perto pela cunhada do vencedor da prova, Gisele, que ficou em quinto lugar. “Estou muito feliz por ter conquistado a primeira colocação. Meu irmão e minha esposa sempre treinam comigo, assim como minha cunhada, e todos estão no pódio. Por isso, essa vitória é ainda mais especial”, comemora Damião. Já a ganhadora da categoria feminina, Rejane da Silva, destaca a organização do evento. “Achei tudo muito bem organizado. A produção está de parabéns. Já tentei participar da prova nos outros anos, mas perdi a inscrição, porque, como o nome já diz, todo mundo vai. Fico muito feliz de ter conseguido fazer este ano e ainda sair com a vitória, que é o melhor”, finaliza Rejane.

Equipe de portadores de deficiência – Neste ano, o circuito trouxe como novidade o foco na diversidade e na inclusão: o evento contou, pela primeira vez, com uma equipe formada por 30 pessoas com deficiência – o time Leven. Seguindo a proposta democrática do slogan “Todo Mundo Vai”, a participação de portadores de deficiência teve o objetivo de promover a inclusão deste grupo no esporte, de forma igualitária. Integrantes do “Correndo Por Eles”, os 30 atletas foram conduzidos por 30 apoiadores do projeto social e 30 funcionários voluntários das companhias, que se revezaram durante todo o percurso, oferecendo cuidados como hidratação à equipe.

“Esta foi uma das melhores iniciativas sociais que a companhia já promoveu. Achei o projeto fantástico e, de alguma forma, senti que poderia fazer a diferença na vida de alguém”, comentou Aleksandro Pereira, funcionário da Lojas Americanas, que acompanhou o pequeno Heitor de apenas 6 anos. Questionado sobre como foi correr ao lado de um atleta portador de deficiência, Aleksandro acrescentou: “Confesso que, no final das contas, quem me ajudou foi ele. Apesar de praticar exercícios diariamente, voltei a correr na rua depois que decidi ser voluntário da corrida. O Heitor me ensinou que devemos sair da nossa zona de conforto e nos superar dia após dia”, acrescenta Aleksandro.

Para Cristiano Azeredo, pai do menino Heitor, o esporte é um caminho importantíssimo para construção da identidade do filho. “Nas Paralimpídas de 2016, ele participou ativamente de várias atividades e teve oportunidade de conhecer diferentes esportes adaptados. Ele faz natação, dança, adora futebol, mas faltava a corrida. Quando conhecemos o ‘Correndo Por Eles’ ele adorou. E o projeto tem sido incrível para desenvolver sua autonomia”, afirma Cristiano, que complementa dizendo que Heitor não gosta que digam que ele não é capaz de fazer algo. Já questionado sobre como se sente ao participar de uma corrida como a do circuito Todo Mundo Vai, o pequeno Heitor é objetivo: “Me sinto feliz”, diz ele.

Promover o bem-estar e a melhoria da qualidade de vida por meio da prática de atividades esportivas. Este é o propósito da Lojas Americanas e da Americanas.com, que realizaram, pelo sexto ano consecutivo, o circuito de corrida e caminhada “Todo Mundo Vai”. Reforçando o compromisso das companhias com a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), a iniciativa contempla o ODS (Objetivo de Desenvolvimento Sustentável) 3, que visa “assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas e todos, em todas as idades”.

Depoimentos extras:

Edson Marchiori – cadeirante e integrante do Time Leven – 1o participante do time Leven a cruzar a linha de chegada

“Eu sempre participai de eventos da APAE, mas depois que me mudei aqui para o Rio, esta é a primeira corrida de rua. Adorei a experiência e quero fazer parte do projeto ‘Correndo por Eles’ a partir de agora”.

Rita Alvarenga – cadeirante e integrante do Time Leven

“Desde que eu fiz minha primeira corrida nunca mais parei. O domingo de corrida para mim é o domingo da alegria, o dia que fico mais feliz no mês. E como sempre tive contato com a natureza e fui aventureira – surfava, andava de skate – poder contemplar a vista incrível do Rio de Janeiro enquanto corro é ainda mais revigorante”.

Edson Marchiori, primeiro colocado do time Leven, com seu condutor (crédito: DIZZ MEDIA
Largada geral – circuito Todo Mundo Vai (crédito: DIZZ MEDIA)
Largada time Leven – circuito Todo Mundo Vai (crédito: DIZZ MEDIA)
Pódio masculino – circuito Todo Mundo Vai (crédito: DIZZ MEDIA
Três primeiros colocados da categ. masculina (crédito: DIZZ MEDIA)
Rejane da Silva – Campeã feminina (crédito: DIZZ MEDIA)