Cinco tendências para o mercado de transporte aéreo de cargas em 2019

Nos últimos anos, o mercado de transporte aéreo de cargas vem crescendo consideravelmente no Brasil, em decorrência dos diversos benefícios que proporciona, como maior velocidade e segurança na movimentação de produtos dentro e fora do País.

Dados da Associação Nacional de Aviação Civil (Anac) atestam a ascensão do setor: somente em 2018 as companhias brasileiras transportaram um número recorde de cargas, foram 470,9 mil toneladas movimentadas em território nacional, uma alta de 10,5% sobre 2017 (a maior evolução dos últimos sete anos); e 281,7 mil toneladas para o exterior, um aumento de 24,4% em relação ao ano anterior (o maior resultado desde o início da série histórica, iniciada em 2000).

Para 2019, a expectativa é continuar nesse forte ritmo de expansão. É o que analisa o diretor de frete aéreo da operadora logística Panalpina Brasil, Rene Genofre. Para ele, cinco fatores serão decisivos para o avanço deste mercado neste ano: a geração de novos negócios por meio de acordos bilaterais, o crescimento do mercado internacional, a chegada de novos investimentos e inovações tecnológicas, além da maior utilização do modal por alguns segmentos da indústria.

Novos Negócios – Com as tratativas comerciais do novo governo, em que o Brasil discute acordos bilaterais com outros países, novas oportunidades de negócios devem surgir, tanto nas importações quanto nas exportações, inclusive, com países emergentes, como a Colômbia. Mas, ao que tudo indica, os principais parceiros comerciais do País, em termos de modal aéreo, continuarão sendo os mesmos de 2018: China, Alemanha, Estados Unidos, México e Espanha;

Crescimento do Setor – Dessa forma, o mercado de transporte aéreo de cargas deve apresentar novo aumento já neste ano, não apenas no Brasil, mas no mundo. Levantamento da Seabury, uma das mais importantes consultorias globais para este setor, prevê que de 2019 a 2022, o segmento obterá cerca de 3,5% de alta ao ano;

Maior Número de Investimentos – Em paralelo, outro fator que deve atrair ainda mais a atenção de grandes players internacionais ao País é o leilão de aeroportos nacionais. Com as concessões, novos investimentos serão feitos, o que trará mais competitividade e modernidade ao setor como um todo;

Inovações – Grande parte desses aportes deve ser feito em novas tecnologias que auxiliem no desenvolvimento do mercado, especialmente na relação com os clientes. Sistemas de cotação automática de cargas e de cotação de fretamento de aeronaves, em que o próprio contratante pode acessá-los, a qualquer hora e lugar, para avaliar a quantidade de voos disponíveis, a capacidade de cada um e outras informações relevantes, como já utilizados na Panalpina, devem ser uma das tendências;

Indústrias de Destaque – Entre todos os segmentos econômicos e industriais que utilizam o transporte aéreo de cargas para a movimentação e distribuição de mercadorias, quatro deles devem obter maior destaque em 2019, registrando volumes mais expressivos: Automotivo, Manufatureiro, Químico e Healthcare.

 

Sobre a Panalpina

O Grupo Panalpina é um dos principais fornecedores mundiais de soluções para a cadeia de suprimentos. Operador logístico multimodal, a empresa combina seus principais produtos de Frete Aéreo, Marítimo e Logística e Manufatura, para oferecer soluções end to end globalmente integradas e personalizadas para os doze principais segmentos da indústria. Com base no seu profundo conhecimento do setor e em sistemas de TI personalizados, a Panalpina gerencia as necessidades das cadeias de suprimentos de seus clientes não importando o nível de exigência. Um de seus diferenciais é o Energy and Project Solutions, um serviço especializado para o setor de energia e projetos. O Grupo Panalpina opera uma rede global com cerca de 500 escritórios em cerca de 70 países e trabalha com empresas parceiras em outros 100 países, empregando aproximadamente 14.000 pessoas em todo o mundo que oferecem um serviço completo nos mais altos padrões de qualidade – a qualquer hora e em qualquer lugar.

Foto:Pixabay