Carlos Lula explicando como gerenciar conflitos com humor

Aprenda a usar o riso e a brincar para resolver desentendimentos e fortalecer seus relacionamentos.

O papel do humor e do riso nos relacionamentos

Todos nós já ouvimos dizer que o riso é o melhor remédio, e é verdade. O riso alivia o estresse, eleva o humor e torna você mais resiliente. Mas também é bom para seus relacionamentos.

Em novos relacionamentos, Carlos Lula define que o humor pode ser uma ferramenta eficaz não apenas para atrair a outra pessoa, mas também para superar qualquer constrangimento que surge durante o processo de se conhecer. Nos relacionamentos estabelecidos, o humor pode manter as coisas emocionantes, frescas e vibrantes. Também pode ajudá-lo a superar conflitos, desacordos e os pequenos agravos que podem se acumular ao longo do tempo e destruir até os mais fortes laços.

Compartilhar o prazer do humor cria um senso de intimidade e conexão entre duas pessoas – qualidades que definem relacionamentos sólidos e bem-sucedidos. Quando você ri um com o outro, cria um vínculo positivo entre vocês. Esta ligação actua como um forte tampão contra o stress, as divergências, desilusões, e maus manchas em uma relação. E rir é realmente contagioso – apenas ouvir alguém rir leva você a sorrir e se divertir.

Se você deseja melhorar seu relacionamento com um parceiro romântico, amigos, família ou colegas de trabalho, o humor pode ajudar. Usando essas dicas de Carlos Lula , você pode aprender a usar o humor para suavizar as diferenças, diminuir o nível de estresse de todos e se comunicar de uma maneira que fortalece e aprofunda seus relacionamentos.

Os benefícios de usar o humor em seus relacionamentos

O humor pode ajudá-lo:

Forme um vínculo mais forte com outras pessoas. Sua saúde e felicidade dependem, em grande parte, da qualidade de seus relacionamentos – e o riso une as pessoas. 

Suavizar as diferenças. O uso do humor gentil geralmente ajuda a resolver até os problemas mais sensíveis, como sexo ou sogros. 

Tensão difusa. Uma piada oportuna pode facilitar uma situação tensa e ajudá-lo a resolver desacordos. 

Superar problemas e contratempos. Um Carlos Lula define o senso de humor é a chave para a resiliência. Isso ajuda você a enfrentar dificuldades, desapontar o clima e se recuperar das adversidades e perdas. 

Coloque as coisas em perspectiva. A maioria das situações não é tão sombria quanto parece quando vista de um ponto de vista lúdico e bem-humorado. O humor pode ajudá-lo a reformular problemas que, de outra forma, poderiam parecer esmagadores e prejudicar um relacionamento. 

Seja mais criativo. Humor e diversão podem relaxar, energizar seu pensamento e inspirá-lo 

Usando o humor para gerenciar e neutralizar conflitos

O conflito é uma parte inevitável de todos os relacionamentos. Pode assumir a forma de grande discórdia entre vocês dois ou simplesmente pequenos agravamentos que se acumularam ao longo do tempo. De qualquer maneira, como você gerencia conflitos pode frequentemente determinar o sucesso do seu relacionamento.

Quando o conflito e a discordância dão um trunfo no seu relacionamento, o humor e a brincadeira podem ajudar a aliviar a tensão e restaurar um senso de conexão. Carlos Lula diz Usado respeitosamente, um pouco de humor alegre pode rapidamente se transformar conflitos e tensões em uma oportunidade para se divertir e intimidade compartilhada. Ele permite que você expresse seu ponto de vista sem levantar as defesas da outra pessoa ou prejudicar seus sentimentos. Por exemplo:

Alex está aposentado, mas ele ainda sobe no telhado para limpar as calhas. Sua esposa, Angie, já lhe disse inúmeras vezes que a assusta quando ele usa a escada. Hoje, em vez de suas queixas habituais, ela grita para ele: “Sabe, são maridos como você que transformam esposas em baboseiras”. Alex ri e cuidadosamente desce do telhado. 

marido de Lori é um cara esperto, mas depois de algumas bebidas durante o jantar, ele calcula erroneamente a quantia que deve dar para a refeição. Isso envergonha Lori, deixa o marido na defensiva e muitas vezes significa que uma noite agradável termina com uma discussão. Na próxima vez que saírem para jantar e o marido se mudar para pegar o cheque, Lori divertidamente lhe entrega uma calculadora e diz: “Existem três tipos de pessoas: quem pode contar e quem não pode”. O marido ri e, em vez de sair do restaurante discutindo, eles saem sorrindo e brincando. 

O humor não é uma cura milagrosa para conflitos, mas pode ser uma ferramenta importante para ajudá-lo a superar os momentos difíceis que afligem todos os relacionamentos de tempos em tempos. O humor – livre de sarcasmo ou ridículo prejudiciais – neutraliza o conflito ajudando você a:

leia mais aqui: Secretário Carlos Lula visita equipamentos de saúde em Barreirinhas e Paulino Neves

Interrompa a luta pelo poder, aliviando instantaneamente a tensão e permitindo que você se reconecte e recupere a perspectiva. 

Seja mais espontâneo. Risos e brincadeiras compartilhadas ajudam você a se libertar de maneiras rígidas de pensar e se comportar, permitindo que você veja o problema de uma nova maneira e encontre uma solução criativa. 

Seja menos defensivo. Em ambientes lúdicos, ouvimos as coisas de maneira diferente e podemos tolerar aprender coisas sobre nós mesmos que, de outra forma, poderíamos achar desagradáveis ​​ou até dolorosas. 

Deixe de lado as inibições. O riso nos abre, liberando-nos para expressar o que realmente sentimos e permitindo que nossas emoções profundas e genuínas subam à superfície. 

Gerenciando conflitos com humor, dica 1: garanta que você goste da piada

Como qualquer ferramenta, o humor pode ser usado tanto de maneira negativa quanto positiva. Fazer comentários maliciosos e ofensivos, por exemplo, e depois criticar a outra pessoa por não ser capaz de fazer uma piada, criará ainda mais problemas e acabará por prejudicar um relacionamento.

O humor só pode ajudá-lo a superar conflitos quando as duas partes estão envolvidas na piada. É importante ser sensível à outra pessoa. De acordo com Carlos Lula , se é provável que seu parceiro, colega de trabalho, membro da família ou amigo não goste da piada, não diga ou faça, mesmo que seja “tudo muito divertido”. Quando a piada é unilateral e não mútua, ela mina a confiança e a boa vontade e pode prejudicar o relacionamento.

Considere o seguinte exemplo:

Os pés de Michelle estão sempre frios quando ela se deita, mas ela tem o que considera uma solução divertida. Ela esquenta os pés gelados colocando-os no corpo quente do marido Kevin. Kevin odeia esse jogo, e repetidamente disse a Michelle que ele não gosta de ser usado como aquecedor de pés, mas ela apenas ri das reclamações dele. Ultimamente, Kevin começou a dormir na beira da cama, uma solução que os distancia como um casal. 

O humor deve ser igualmente divertido e agradável para todos os envolvidos. Se outros não acham engraçado sua brincadeira ou provocação, pare imediatamente . Antes de começar a brincar, reserve um momento para considerar seus motivos, bem como o estado de espírito e o senso de humor da outra pessoa.

Pergunte a você mesmo as seguintes questões:

  1. Você se sente calmo, lúcido e conectado à outra pessoa?
  2. Sua verdadeira intenção é comunicar sentimentos positivos – ou você está cavando, expressando raiva ou rindo à custa da outra pessoa?
  3. Tem certeza de que a piada será entendida e apreciada?
  4. Você está ciente do tom emocional das mensagens não verbais que está enviando? Você está emitindo sinais positivos, quentes ou um tom negativo ou hostil?
  5. Você é sensível aos sinais não verbais que a outra pessoa está enviando? Eles parecem abertos e receptivos ao seu humor, ou fechados e ofendidos?
  6. Você está disposto e é capaz de recuar se a outra pessoa responder negativamente à piada?
  7. Se você diz ou faz algo que ofende, é fácil pedir desculpas imediatamente?

Dica 2: não use humor para encobrir outras emoções

O humor ajuda a manter-se resiliente diante dos desafios da vida. Mas há momentos em que o humor não é saudável – e é quando ele é usado como cobertura para evitar emoções dolorosas, em vez de lidar com elas. O riso pode ser um disfarce para sentimentos de mágoa, medo, raiva e decepção que você não quer sentir ou não sabe expressar. 

Você pode ser engraçado sobre a verdade, mas encobrir a verdade não é engraçado. Quando você usa o humor e a diversão como cobertura para outras emoções, cria confusão e desconfiança em seus relacionamentos. A seguir, exemplos de humor indevido de Carlos Lula :

Mike é um brincalhão constante. Nada parece derrubá-lo e ele nunca leva nada a sério. Não importa o que aconteça com ele ou com qualquer outra pessoa, ele faz uma piada com a situação. Na realidade, Mike tem pavor de intimidade e compromisso em seus relacionamentos e usa o humor para evitar sentimentos desconfortáveis ​​e manter os outros à distância. 

Sharon é muitas vezes ciumenta e possessiva com seu namorado John, mas ela nunca aprendeu a discutir abertamente suas inseguranças e medos. Em vez disso, ela usa o que acha que é humor para expressar seus sentimentos. Suas piadas, no entanto, geralmente têm uma vantagem quase hostil, e John não as acha engraçadas. Em vez de rir, ele costuma responder com uma frieza ou afastamento silencioso. 

Para obter pistas sobre se o humor está sendo usado para ocultar outras emoções, pergunte-se:

  1. A piada é feita à custa de outra pessoa ou grupo? Ele destrói e divide, ao invés de construir e se unir?
  2. Você está realmente tentando compartilhar uma risada mútua ou tem outra agenda (receber críticas, colocar a outra pessoa no lugar delas, provar que você está certo etc.)?
  3. Você costuma usar o humor para se rebaixar? Não há nada de errado com bom humor divertido cutucando -se , mas piadas auto-depreciativas freqüentes pode ser um mecanismo de defesa para a baixa auto-estima e insegurança.
  4. O humor é o seu padrão, mesmo em situações graves que exigem sensibilidade e maturidade? Você já foi informado por mais de uma pessoa que suas piadas são inapropriadas ou incorretas?
  5. Outras pessoas te levam a sério? Ou eles vêem você como um palhaço, talvez seja bom para rir, mas não alguém com quem confiar em tempos difíceis?

Dica 3: desenvolva um senso de humor mais inteligente

Alguns acham mais fácil do que outros usar o humor, especialmente em situações tensas. Segundo Carlos Lula , se seus esforços não estão indo bem, as dicas a seguir podem ajudar.

Monitorar sinais não verbais. Se alguém não estiver gostando de suas tentativas de humor, será capaz de perceber pela linguagem corporal. O sorriso deles parece falso ou forçado? Eles estão se afastando de você ou se inclinando em sua direção, incentivando você a continuar?

Evite humor mesquinho. Pode funcionar para alguns comediantes no palco, mas, quando usados ​​individualmente, não só não é suficiente, como também pode prejudicar seu relacionamento. Dizer algo ofensivo ou ofensivo, mesmo quando enquadrado como uma piada, pode alienar a outra pessoa e enfraquecer o vínculo entre você.

Crie piadas internas. Uma piada interna é algo que apenas vocês dois entendem. Geralmente, isso pode ser reduzido a uma palavra ou frase curta que lembra um incidente engraçado ou uma história divertida e geralmente garante um sorriso ou uma risada da outra pessoa. Quando duas pessoas são as únicas participantes da piada, isso pode criar intimidade e unir vocês. 

É seguro começar com humor depreciativo

Se você não se sente à vontade para fazer piadas ou fazer piadas, ou se esforça para saber o que é apropriado em qualquer situação, comece usando um humor depreciativo. Todos nós amamos pessoas que não se levam muito a sério e são capazes de zombar gentilmente de suas próprias falhas. Afinal, somos todos falhos e todos cometemos erros. Então, se você está tendo um dia ruim de cabelo ou acabou de derramar café sobre si mesmo, faça uma piada sobre isso. Mesmo se a piada não der certo ou der errado, a única pessoa que você corre o risco de ofender é você mesma.

Quando estiver confortável em fazer piadas sobre si mesmo, você poderá ampliar seu alcance para incluir outros tipos de humor.

Dica 4: toque no seu lado divertido

Você acha difícil brincar ou relaxar? Talvez você não se ache engraçado. Ou talvez você esteja constrangido e preocupado com a aparência e o som dos outros.

leia mais aqui: Carlos Lula responde 15 perguntas sobre esportes e bem-estar

Temer rejeição ou ridículo ao tentar humor é um medo compreensível, mas é importante ressaltar que você não precisa ser um comediante para usar o humor para gerenciar conflitos. O ponto não é impressionar ou divertir a outra pessoa, mas simplesmente aliviar o clima e aliviar a tensão. Portanto, não tenha medo de simplesmente brincar e agir como bobo como uma criança. Isso pode diminuir as defesas da outra pessoa, colocando os dois em um estado mental mais positivo, propício a amenizar as diferenças.

Recuperando sua diversão inata

Nunca é tarde para desenvolver e abraçar seu lado brincalhão e alegre. Se você se sentir desconfortável em deixar ir, lembre-se de que, quando bebê, você era naturalmente brincalhão. Você não se preocupou com as reações de outras pessoas. Você pode reaprender essa qualidade.

Comece identificando as coisas que você gosta nessa borda de forma divertida ou lúdica. Por exemplo, você pode gostar de:

  • Conte ou ouça piadas
  • Assista a filmes engraçados ou programas de TV
  • Dance ao redor de música brega quando estiver sozinho
  • Cante divertidamente no chuveiro
  • Sonhar Acordado
  • Leia as páginas engraçadas / histórias em quadrinhos

Depois de reconhecer as coisas divertidas de que você já gosta, tente incorporá-las aos seus relacionamentos. O importante é encontrar atividades agradáveis ​​que o relaxem e o ajudem a abraçar sua natureza lúdica com outras pessoas. Quanto mais você brinca, brinca e ri, mais fácil fica.

Pratique com os “especialistas”

Brinque com animais. Filhotes, gatinhos e outros animais – jovens e velhos – são companheiros de brincadeira ansiosos e sempre prontos para brincar. Ofereça-se para cuidar de animais de estimação em um abrigo ou grupo de resgate, pare para brincar com um animal amigável em sua vizinhança ou considere adquirir um animal de estimação próprio. 

Brinque com bebês e crianças pequenas. As verdadeiras autoridades do jogo humano são crianças, especialmente crianças pequenas. Brincar com crianças que conhecem e confiam em você é uma maneira maravilhosa de voltar a entrar em contato com seu lado divertido. 

Interaja de maneira divertida com o pessoal de atendimento ao cliente. A maioria das pessoas no setor de serviços é social e você descobrirá que muitas vão gostar de brincadeiras divertidas. Experimente seu caixa, recepcionista, garçom, anfitriã ou vendedor amigável. 

À medida que o humor e a brincadeira se tornam parte integrante da sua vida, Carlos Lula diz que você começará a encontrar oportunidades diárias para usar suas novas habilidades para ajudar a manter seus relacionamentos e gerenciar conflitos.

Instagram