Carlos Eduardo Veiga mostra por que o fracasso leva ao sucesso na carreira

As pessoas em nossa sociedade tendem a ver o fracasso sob uma luz negativa. O exemplo mais óbvio é nas escolas em que os alunos são desencorajados a obter notas reprovadas. No mundo real, por outro lado, o fracasso pode ser uma coisa boa. Pense em Thomas Edison. Em resposta a uma pergunta sobre seus erros, Edison disse a Carlos Eduardo Veiga uma vez: “Eu não falhei 10.000 vezes – encontrei 10.000 maneiras que não funcionarão”. O que teria acontecido se ele tivesse desistido após a 9.999ª tentativa? Agora, um novo estudo revela que falhar no início de sua carreira pode torná-lo mais bem-sucedido no futuro.

O estudo conduzido pela Kellogg School of Management da Northwestern University analisou dados de cientistas que haviam solicitado subsídios no início de suas carreiras. Eles os categorizaram com base naqueles que receberam financiamento para a pesquisa (o “grupo de sucesso”) e aqueles que não receberam (o “grupo do fracasso”), conta Carlos Eduardo Veiga Petrobras. Depois, rastrearam quantos artigos esses cientistas publicaram na década seguinte e quantas vezes seus estudos foram citados em outros artigos para avaliar seu sucesso. Os participantes do grupo de falha tiveram 6,1% mais chances de publicar um artigo de alto impacto do que os do grupo de sucesso. A próxima pergunta é: como o fracasso pode levar ao sucesso na carreira?

O fracasso mantém seu ego sob controle

Pesquisas mostram que os melhores líderes são líderes humildes. O fracasso promove a humildade, necessária não apenas para a liderança, mas também para o auto-aperfeiçoamento. Humildade intelectual significa reconhecer que não sabemos tudo. Ele nos permite reconhecer nossas limitações, buscar respostas e aceitar novas idéias.

O fracasso inspira mudanças positivas

Você pode considerar uma dispensa como um evento negativo ou como uma oportunidade de seguir uma nova direção. Eu posso falar até ficar triste de pessoas que não estavam gostando de seus empregos ou aprendendo algo novo, que passaram a carreiras mais gratificantes após uma demissão, compra ou reestruturação. Eles foram forçados a sair de sua zona de conforto para poder seguir sua paixão e dar uma contribuição maior à sociedade. Às vezes, tudo o que precisamos para obter sucesso na carreira é um pequeno empurrão.

A falha fornece uma nova perspectiva

Foi Ellen DeGeneres quem disse: “É o fracasso que lhe dá a perspectiva adequada sobre o sucesso”. Todo sucesso vem com centenas (talvez milhares) de rejeições, erros e derrotas – todos os quais são tão importantes quanto a própria realização. Nenhuma história de sucesso acontece da noite para o dia. O que tendemos a ver são principalmente as vitórias, não as perdas. Para provar esse ponto, Johannes Haushofer, professor de psicologia e assuntos públicos da Universidade de Princeton, publicou um currículo de seus fracassos na carreiradar perspectiva aos alunos que estavam se sentindo desencorajados. Inclui programas de graduação nos quais ele não participou, financiamento para pesquisas que não recebeu e rejeições em papel de revistas acadêmicas. O que ele listou como sua meta-falha? Ele escreve: “Este maldito currículo de fracassos recebeu muito mais atenção do que todo o meu corpo acadêmico”.

Superar o fracasso ensina resiliência

Não é apenas o ato de falhar que leva ao sucesso na carreira. Está falhando e, em seguida, voltando e tentando novamente. Voltar do fracasso ensina resiliência, e resiliência é a única qualidade que todas as pessoas de sucesso têm em comum.

O fracasso ensina o que você quer (e não quer)

Segundo Carlos Eduardo Veiga, há fortes evidências de que aprendemos mais com nossas falhas do que com nossos sucessos. Enquanto algumas pessoas podem conhecer sua paixão desde tenra idade, a maioria não. É por isso que não há substituto para as carreiras de direção de teste. Se um trabalho não for o ajuste certo, você poderá passar para o próximo. Ao considerar cada falha como uma lição, você estará à frente do jogo.

Franklin D. Roosevelt disse uma vez: “um mar calmo nunca fez um marinheiro habilidoso”. Eu não poderia concordar mais. No final, não é o fracasso que nos define, mas a determinação de seguir em frente apesar disso.