Cannabis no tratamento oncológico depende de mais estudos, aponta professor da Unifesp

Paciente precisa informar o uso da substância sem a recomendação médica

Apesar da ampla discussão sobre o uso da cannabis no tratamento oncológico, ainda faltam estudos científicos que garantam o uso dessa substância com segurança no tratamento dos pacientes com câncer. “As pesquisas ainda estão ocorrendo em várias instituições e elas apontam caminhos diferentes. Algumas revelam que os canabinóides atuam como supressores dos tumores. Por outro lado, temos estudos que apontam sua ação anti-inflamatória e que acaba bloqueando o sistema de respostas do corpo ao câncer”, explica Ramon Andrade de Mello, médico oncologista, professor da disciplina de oncologia clínica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e da Escola de Medicina da Universidade do Algarve (Portugal).

Cannabis

O uso da cannabis no tratamento do paciente oncológico ocorre para ajudar na administração da dor, nos eventuais efeitos colaterais da quimioterapia, além de contribuir para controlar a ansiedade e depressão. “Apesar de apontar para esses benefícios, já encontramos medicamentos que podem oferecer os mesmos resultados com maior segurança de estudos clínicos realizados”, aponta o professor da Unifesp.

Tetrahidrocannabional (THC)

O oncologista alerta que a cannabis conta com duas substâncias que atuam no organismo. O tetrahidrocannabional (THC) é reconhecido por ser responsável pelos efeitos alucinógenos. Já o canabidiol (CBD) pode ter efeitos múltiplos no paciente. “Essa substância pode ser encontrada, inclusive, em alguns tipos de câncer. Por isso, o paciente oncológico deve comunicar ao seu médico caso faça uso da cannabis. Esse procedimento pode interferir no tratamento, inclusive em fases importantes para aqueles que estejam recebendo imunoterapia”, pontua o médico Ramon Andrade de Mello.

Sobre Ramon Andrade de Mello

Oncologista clínico e professor adjunto de Cancerologia Clínica da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ramon Andrade de Mello tem pós-doutorado em Pesquisa Clínica no Câncer de Pulmão no Royal Marsden NHS Foundation Trust (Inglaterra) e doutorado (PhD) em Oncologia Molecular pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (Portugal).

O médico tem título de especialista em Oncologia Clínica, Ministério da Saúde de Portugal e Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO). Além disso, Ramon tem título de Fellow of the American College of Physician (EUA) e é membro do Comitê Educacional de Tumores Gastrointestinal (ESMO GI Faculty) da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (European Society for Medical Oncology – ESMO), Membro do Conselho Consultivo (Advisory Board Member) da Escola Europeia de Oncologia (European School of Oncology – ESO) e ex-membro do Comitê Educacional de Tumores do Gastrointestinal Alto (mandato 2016-2019) da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (American Society of Clinical Oncology – ASCO). 

O oncologista é do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein e Hospital 9 de Julho, em São Paulo, SP, e do Centro de Diagnóstico da Unimed (CDU), em Bauru (SP).

Imagem de Erin Stone por Pixabay 

Instagram