Caipirinha: conheça a história da bebida brasileira

Estudiosos acreditam que o famoso drink foi criado para combater a gripe espanhola no início do século XX.

Ao sair com os amigos, quem não aprecia tomar ao menos uma dose de caipirinha? A popular bebida nacional foi criada no Brasil e foi exportada para o mundo todo, ganhando apreciadores nos quatro cantos do planeta.

Mas você sabe qual é a origem da bebida refrescante no Brasil? Considerada um patrimônio nacional, sua criação, acreditam estudiosos da área, ocorreu há mais de 100 anos. Entenda melhor essa história abaixo.

Origem como remédio

Para entender a história da caipirinha, antes é preciso que fique claro que é difícil determinar uma origem oficial da famosa bebida. Isso porque o Brasil é um país com dimensões continentais e de grande diversidade de culturas, dificultando o rastreio da origem até mesmo para quem estuda o assunto.

Como há falta de registros oficiais, uma das hipóteses mais aceitas pelo Instituto Brasileiro de Cachaça (Ibrac) é que a caipirinha surgiu em 1918. No entanto, sua origem não foi como a bebida alcoólica que a população consome hoje, mas sim como um remédio.

Segundo essa versão, os moradores de Piracicaba, no estado de São Paulo, preparavam um remédio feito de suco de limão, mel e alho, na tentativa de combater os efeitos da gripe espanhola. Na época, era comum que muitos remédios caseiros recebessem o acréscimo de álcool para acelerar o efeito terapêutico. No caso, as pessoas acrescentaram a cachaça.

A bebida continuou sendo usada mesmo após a erradicação da doença. Ela também passou por mudanças: retiraram o mel e o alho e acrescentaram o açúcar. Para torná-la mais refrescante, acrescentaram o gelo em seguida.

Assim, a receita foi ganhando novos adeptos nos bares e famílias brasileiras. Mas o seu salto de popularização aconteceu em 1922, na Semana de Arte Moderna. O movimento artístico pregava a valorização da cultura do país, e a pintora Tarsila do Amaral elegeu a caipirinha como a bebida oficial do movimento.

Inclusive, o nome “caipirinha” pode ter pegado por causa da pintora. O apelido da pintora era caipirinha, apesar de ninguém saber ao certo como ele surgiu. Uma hipótese é a origem da própria Tarsila, que nasceu em Capivari, no interior paulista.

Outras versões

Ainda existem outras versões sobre a possível origem da bebida. Uma delas aponta que os fazendeiros latifundiários de Piracicaba criaram a bebida como um drink local para as festas de alto padrão da região, substituindo o whisky e vinho importados. De quebra, eles usariam um produto que eles mesmos produziam — no caso, a cana-de-açúcar.

Outra tese é defendida pelos moradores de Paraty, no estado do Rio de Janeiro. Segundo eles, há um documento que mostra que, em 1856, os marinheiros e navegadores tomavam uma dose de cachaça que era misturada com suco de limão. A solução era feita para evitar que eles tivessem escorbuto, doença causada pela falta de vitamina C no corpo.

Há ainda quem defenda que a bebida pode ter surgido em Santos, no litoral paulista, cidade que tinha tradição na produção de aguardente. Outros até creditam à Carlota Joaquina, esposa do rei D. João V e que apreciava a cachaça, misturando-a com frutas presentes no Brasil.

Diferentes misturas

Com o passar dos anos e o aumento da popularidade, a bebida ganhou novas misturas Brasil afora. Em algumas regiões, o açúcar refinado foi substituído pelo mascavo. Há versões até que substituem o limão por outras frutas, como laranja, tangerina, uva, kiwi, abacaxi, maracujá e morango.

A cachaça também já foi substituída em algumas misturas por outras bebidas alcoólicas, como saquê e vodka. No entanto, nesses casos, o drink não pode ser chamado de caipirinha.

Inclusive, isso é previsto em lei. Para proteger a autenticidade do drink, que é considerado um patrimônio cultural do país, foi assinado o decreto de lei número 4.851 em 2003 pelo governo federal, garantindo a propriedade intelectual sobre as marcas Cachaça e Caipirinha na legislação internacional.

Instagram