BNDES aprova R$ 20,4 milhões para reforma de hospital em SP

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 20,4 milhões para o Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC), de São Paulo (SP). Os recursos do BNDES serão repassados pelo Bradesco e aplicados na reforma e modernização de duas unidades da instituição.
Com valor total de R$ 25 milhões, o projeto prevê a reforma da unidade Paraíso, com ampliação da área destinada a exames de ressonância magnética, e a conclusão das obras da unidade Vergueiro, que em abril de 2018 operava com 40% da capacidade.
Com as novas instalações, a entidade incrementará sua capacidade de atendimento: serão 134 novos leitos e sete salas cirúrgicas a mais. Após o fim das obras, o potencial de exames deve ser ampliado de 15.600 (2017) para 23.400 (2019) e a quantidade anual de cirurgias realizadas deve aumentar de 400 (2017) para 15.000 (2021). Estima-se que serão criados mais de 1.200 novos postos de trabalhos.
O projeto contribuirá com o novo modelo de negócios em implementação na unidade Vergueiro. Nele, a remuneração dos serviços hospitalares será  baseada em um pacote de preços fixos por tipo de procedimento ou doença. Isso possibilita que os planos de saúde tenham maior previsibilidade de custos, além de aumento da eficiência pelo hospital. Caso a experiência tenha sucesso, pode vir a ser replicada no sistema de saúde suplementar. Tradicionalmente, os hospitais brasileiros adotam o modelo de “conta aberta”, com pouca previsibilidade dos custos totais de um tratamento. Nele, cada material, medicamento ou item de serviço utilizado no tratamento do paciente é adicionado à sua conta e apenas ao fim os planos de saúde têm pleno conhecimento do custo total.

Hospital Alemão Oswaldo Cruz – Fundado em 1897, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil sem fins lucrativos que presta serviços hospitalares de alta complexidade, com ênfase em oncologia e doenças digestivas. Ele também é um dos seis hospitais filantrópicos de excelência reconhecidos pelo Ministério da Saúde que colaboram com o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) por meio de projetos pactuados no âmbito do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI), financiados com recursos de isenção fiscal.
Ele é reconhecido como de utilidade pública estadual há 38 anos. Desde 2009 conta com uma unidade, no bairro da Mooca, onde realiza atendimentos a pacientes do SUS e promove projetos de capacitação e desenvolvimento de profissionais de saúde.
Além do aumento da capacidade de atendimentos privados, o fortalecimento da instituição gera indiretamente benefícios aos usuários do SUS, em razão da ampliação dos recursos destinados ao PROADI. Assim, na prática, quanto maior o faturamento ou a folha de pagamento do HAOC, mais recursos serão investidos em projetos vinculados ao PROADI.

Apoio do BNDES à saúde – A atuação no campo da saúde é uma das diretrizes estratégicas definidas pelo BNDES. Atualmente a carteira ativa de projetos do setor apoiados pelo BNDES é de R$ 9 bilhões, dos quais R$ 4,8 bilhões destinam-se aos prestadores de serviços de saúde (públicos, filantrópicos e privados), distribuídos em 97 projetos. A outra parcela de recursos refere-se a projetos de ampliação de capacidade produtiva e inovação da indústria farmacêutica e de equipamentos e materiais médicos.