Bloco Zé Pereira terá museu em São Bento do Sapucaí

Contemplado pelo PROAC, manifestação cultural centenária terá sua história contada em espaço exclusivo

Quem já passou algum carnaval em São Bento do Sapucaí com certeza já se divertiu com os centenários bonecões do Bloco Zé Pereira. Patrimônio cultural e histórico do município, a família mais amada da cidade terá um museu para contar a sua história a moradores e turistas, que poderão visitar o espaço durante o ano todo.

Com aproximadamente 4 metros de altura, os famosos bonecões saem em cortejo pelas ruas da cidade tradicionalmente 30 dias antes do carnaval, todos os dias das 19h às 23h. Os bonecos são acompanhados por uma banda composta por bumbo, caixa, surdo e maracanã que tocam toques próprios passados entre gerações. “Há décadas as músicas tradicionais do bloco vem sendo passadas para novos integrantes pelos antigos, havendo assim também uma troca de conhecimento e experiências entre os próprios percussionistas”, explica Matheus Venâncio, coordenador do bloco.

Em 2019 a família mais amada da cidade terá a sua história contada em um museu: o Museu do Zé Pereira. Localizado no Mercado Municipal, o museu terá três salas de exposição de longa duração, mostrando a história da manifestação cultural no Brasil e a relação com a especificidade de São Bento do Sapucaí. “Este museu é de extrema importância para que os visitantes e toda população possam ter mais acesso a tradição, a história e diversas curiosidades sobre o bloco, que é a maior referência cultural da nossa cidade”, conta Ronaldo Venâncio, prefeito de São Bento do Sapucaí.

Também será abordado no museu os modos de fazer esses bonecos, que foram batizados de Zé Pereira, Maria Pereira, Mariinha e Kiko, e também Tomé, Amélia, Zé Negrinho, Dieguito e Pablito que foram criados posteriormente, aumentando a família. Muito embora já exista a Casa e o Memorial do Zé Pereira, inaugurada em 2017 para abrigar os bonecos de forma adequada, ainda faltava contar a história do bloco e as memórias relacionadas aos bonecos.

Em 2018 a ConectaMUS, empresa especializada em conceber e desenvolver projetos que conectam cidades e comunidades através do seu patrimônio cultural, foi chamada para estruturar o Plano Museológico do museu de forma participativa. “A comunidade reconhece o Bloco do Zé Pereira como seu maior patrimônio cultural e pedia um espaço onde pudesse salvaguardar as suas memórias referentes ao bloco, conhecer a história dos bonecos, a origem da manifestação, ou mesmo ver os próprios bonecos durante o ano”, explica Diana Poepcke, atual responsável pela curadoria do museu.

Em outubro de 2018 o projeto para a elaboração da pesquisa e expografia permanente do museu foi contemplado pelo Edital ProAc de Difusão de Acervos Museológicos. A pesquisa está em andamento desde novembro e conta com uma equipe de dez pessoas divididas em três núcleos: pesquisa e acervo; banco de dados; comunicação e audiovisual. O maior intuito do trabalho é permitir que a comunidade conheça mais sobre a manifestação cultural, uma vez que o bloco é a maior e mais importante referência cultural da cidade. “O Zé Pereira é uma alegria que conecta todas as gerações, desde que começamos a desenvolver o projeto observamos que toda a comunidade possui, de alguma forma, uma relação afetiva com os bonecos. Então, a expectativa é que todos possam conhecer a casa onde o Zé Pereira mora, sua história, como eles são feitos e assim reforçar os laços de pertencimento cultural”, conta Rafaella Teixeira, proponente do projeto.

O museu será inaugurado no segundo semestre de 2019 e todos podem participar enviando fotos anteriores a década de 90, que serão importantes para ilustrar depoimentos históricos, para o e-mail museuzepereira@gmail.com. Ou entrar em contato com a Secretaria de Cultura do Município pelo (12) 3971-2496. Para mais informações, acesse a página do museu no Facebook: https://www.facebook.com/museudozepereira/

Bloco Zé Pereira – credito Diana Poepcke
Museu Zé Pereira – Credito Matheus Venancio