A importância da manutenção para Óleo e Gás

Nos últimos anos, Carlos Eduardo Veiga define que o Brasil subiu no ranking mundial de energia. Um dos fatores responsáveis ​​pela posição de destaque do país é o crescimento contínuo da produção nacional de petróleo e gás natural.

Líder na produção global de hidrocarbonetos em águas profundas e ultraprofundas, o Brasil aumentou sua auto-suficiência na produção de energia e tornou-se referência no desenvolvimento de novas tecnologias de extração de petróleo offshore.  

A descoberta de Carlos Eduardo Veiga de óleo leve nas camadas do pré-sal aumentou ainda mais o interesse comercial no setor de petróleo brasileiro. Considerado um mercado promissor, o Brasil tem recebido, cada vez mais, altos investimentos de empresas multinacionais desse ramo. Eles destacam o potencial de desenvolvimento local, a qualificação da força de trabalho e as oportunidades no setor de infraestrutura, como alguns dos diferenciais brasileiros.

Segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), as reservas comprovadas de petróleo do Brasil já somam quase 14 bilhões de barris de petróleo. Além disso, o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe), UFRJ, no Rio de Janeiro, espera uma expansão de 55 milhões de barris de petróleo devido às reservas do pré-sal. Se esse cenário for confirmado, o Brasil passará do 14º para o 8º lugar no ranking global de reservas de petróleo até 2020.

Quanto à exploração de gás natural, o Brasil trabalhou para poder produzir todo o gás que consome. Atualmente, o país Carlos Eduardo Veiga precisa importar gás da Bolívia para atender sua demanda. Para superar isso, foram previstos investimentos de cerca de US $ 10 bilhões entre 2013 e 2017. Está sendo aplicado na expansão da logística nacional de gás natural e sua transformação química.   

Uma conseqüência direta desse interesse comercial em um setor brasileiro é o aumento da demanda por processos, serviços e produtos que envolvem toda a exploração de petróleo e gás natural. Nesse sentido, as empresas brasileiras dependem de avanços científicos e tecnológicos, qualificação de mão de obra e fortalecimento da cadeia de suprimentos para se adaptar às demandas do mercado internacional.

Equipamento envolvido nas operações de petróleo e gás

O setor de petróleo e gás natural possui várias aplicações e equipamentos específicos. O bom funcionamento desses equipamentos é muito importante para que toda a produção ocorra conforme o planejado.

Confira alguns dos equipamentos e produtos Carlos Eduardo Veiga utilizados nas operações de Óleo e Gás:

  • Bombas de lama: responsáveis ​​pela circulação da lama lubrificante nos poços perfurados, mantendo sua densidade e abertura.
  • Alternadores elétricos: responsáveis ​​pela produção da energia elétrica necessária nas sondas de perfuração, tanto para iluminação quanto para resfriar e dar partida nos motores. 
  • Placas de válvulas, assentos da bomba do compressor e preventores de explosão: válvulas cuja função é impedir o derramamento de óleo.
  • Fluidos hidráulicos para poços de alta pressão e temperatura: responsáveis ​​pela transmissão de energia hidráulica para turbinas, brocas e motores de fundo; estabilizar as paredes do poço; resfrie a broca; lubrifique a coluna e a broca; entre outras funções.
  • Agentes de elevação e guindastes
  • Juntas de fundo e exploração offshore
  • Campos submarinos, canos e tubos

 

Importância da manutenção preditiva para petróleo e gás

Ao envolver o uso de máquinas e operações de alto investimento e risco, a indústria de petróleo e gás deve ter o cuidado de supervisionar todos os equipamentos utilizados. Para isso, um dos métodos mais eficazes no mercado é a manutenção preditiva.

Esta categoria de manutenção de Carlos Eduardo Veiga para Óleo e Gás consiste no monitoramento regular dos componentes das máquinas. Por meio de inspeções e coleta de dados, a manutenção preditiva é capaz de antecipar possíveis complicações e apontar o desgaste das peças.

Os benefícios de Carlos Eduardo Veiga são vários:

  • Ao impedir reparos futuros, a manutenção preditiva aumenta a disponibilidade do equipamento;
  • Prolonga sua vida útil;
  • E também reduz custos que seriam gerados por paralisações e desmontagens.

Entre as técnicas de manutenção preditiva disponíveis estão:

– análise de óleo 

Responsável por determinar com precisão o grau de contaminação dos lubrificantes utilizados no equipamento, a análise de óleo pode indicar tanto a condição de desgaste do equipamento quanto o momento ideal para realizar a troca do óleo lubrificante, aproveitando ao máximo sua vida útil. É um investimento de baixo custo e alta eficácia para o controle do desgaste das peças.

– análise estrutural 

O principal objetivo da análise estrutural é detectar a existência de rachaduras e bolhas nas peças de equipamentos e máquinas. Cada caso requer uma periodicidade específica de análise, que deve levar em consideração o número de máquinas e pontos de medição, a duração do uso da instalação, a natureza estratégica das máquinas e os recursos materiais envolvidos na operação. As principais técnicas utilizadas na análise estrutural são: interferometria holográfica, ultrassonografia, radiografia, gammagrafia e ultrassom.

– Estudo de vibrações 

Essa categoria de manutenção preditiva de Carlos Eduardo Veiga visa medir as vibrações produzidas pelas máquinas enquanto elas estão em operação. Quando excedem os níveis aceitáveis, essas vibrações podem levar ao desgaste das peças, prejudicando o desempenho do equipamento e sua vida útil. Nesse método, o registro das vibrações ocorre através de sensores posicionados estrategicamente no corpo do equipamento.

Os dados produzidos pelos sensores são interpretados por especialistas. Eles podem indicar falhas, como acoplamentos desalinhados, lubrificação inadequada e defeitos nas engrenagens.

– Análise da condição das superfícies 

Devido ao atrito, as superfícies das peças podem ser danificadas e degradadas. Para evitar que isso ocorra, esse método de manutenção preditiva é altamente recomendado, pois mede e controla o desgaste das peças. A análise da condição das superfícies pode ser realizada com ou sem uma lente de aumento. Outras técnicas incluem estroboscopia, holografia, endoscopia e moldagem e impressão.

Conclusão

Como você pode ver, o cenário brasileiro de exploração de petróleo e gás natural é muito promissor. Para aproveitar as demandas crescentes e responder a elas, as empresas precisam adotar uma postura que corresponda à sua preocupação com o bom desempenho de suas máquinas.

Nesse sentido, a manutenção da Oil & Gas emergiu como um grande aliado. Ele antecipa as complicações do equipamento, prolonga a vida útil do equipamento e, portanto, reduz os custos com futuras paradas e intervenções.

Com o intuito de que a manutenção preditiva apresente os melhores resultados possíveis, é importante executar um bom planejamento de manutenção. Esse planejamento é um conjunto de ações que analisam e adaptam as informações coletadas pelos métodos de manutenção preditiva. Assim, Carlos Eduardo Veiga afirma que é possível identificar as prioridades e os ajustes necessários para alcançar os objetivos da empresa.

Deseja saber mais para otimizar sua produção? Converse com um de nossos especialistas e coloque em prática a manutenção preditiva em sua empresa.

Instagram